O que é alienação parental? Saiba quais são as consequências para seus filhos

alienação parental - criança triste

Sabe-se que a união matrimonial de duas pessoas nasce a partir do desejo comum de formação de uma família, assim como de crescimento pessoal e profissional, não é mesmo?

Certo é que o casamento ou a união estável existem para que duas pessoas, juntas, possam alcançar uma vida próspera. Da união, comumente nascem os filhos, como a tradição nos apresenta. 

Por sua vez, a continuidade do matrimônio ou da união fática nem sempre se torna possível, ocasionando a separação conjugal, o divórcio ou a dissolução da união estável. Deste cenário, diversos problemas passam a existir em relação à maternidade e à parentalidade. 

A ocorrência da alienação parental é fruto da separação conflituosa entre os genitores, os quais não se desvencilham do luto da ruptura, afetando diretamente a relação de parentesco. A principal consequência disto é o prejuízo causado ao filho, o qual tende a relacionar seus sentimentos ao que lhe transmitem os pais, restando benéfico em relação a um e maléfico a outro.

Ou seja, um genitor, chamado de alienador, utiliza o próprio filho como instrumento de vingança em relação ao outro, na maioria das vezes de forma inconsciente, de modo que a criança ou o adolescente passa a repudiar o genitor alienado. 

A alienação parental foi regulamentada pela Lei n° 12.318/2010 e, em 2017, passou a ser considerada como ato de violência psicológica contra a criança e adolescente, por meio da publicação da Lei nº 13.431/2017

Apesar da recente previsão legal, as dificuldades após separação estão presentes há décadas e uma das maiores consequências diz respeito à disputa constante de guarda e convivência familiar dos filhos.

A violência psicológica é considerada como ato criminoso, passível de penalidade previsto pelo Código Penal.  Mas a alienação, é crime?

Diante da importância do tema, elaboramos um conteúdo completo com tudo que você precisa saber sobre a alienação parental, não deixe de conferir.

O que é alienação parental?

Conforme mencionado no início, a alienação parental está regulamentada na Lei nº 12.318/2010, que dispõe no art. 2º:

“Considera-se ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este”.

Percebe-se que a interpretação da alienação parental é a mais ampla possível, sendo possível estar configurada em quaisquer atos que interfiram na formação psicológica da criança ou do adolescente, de modo que o outro genitor, chamado de alienado, passa a ter problemas ao conviver com o filho ou, em muitos casos, sequer consegue manter o vínculo. 

Seguindo a leitura da lei, há alguns exemplos de atitudes que podem configurar a alienação parental, mas é importante reforçar que não são somente as situações ali previstas que podem ser configuradas como alienação, como também quaisquer outras que evidenciem a interferência sobre o desenvolvimento psicológico da criança ou do adolescente. 

O parágrafo único, do art. 2º, do referido diploma legal, dispõe:

“São formas exemplificativas de alienação parental, além dos atos assim declarados pelo juiz ou constatados por perícia, praticados diretamente ou com auxílio de terceiros:  

I – realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade; 

II – dificultar o exercício da autoridade parental

III – dificultar contato de criança ou adolescente com genitor

IV – dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar

V – omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço

VI – apresentar falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente; 

VII – mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós”.

Agora você sabe como identificar a alienação parental, não é mesmo?

A alienação parental é considerada crime?

A alienação parental propriamente dita não é tipificada como crime, mas os atos que configuram alienação podem, sim, ser considerados condutas criminosas, tendo em vista que, segundo a Lei nº 13.431/2017, a alienação é tipificada como violência psicológica contra a criança ou adolescente. 

A própria Lei da Alienação Parental define algumas punições para quem cometer a violência, veja:

Art. 6o  Caracterizados atos típicos de alienação parental ou qualquer conduta que dificulte a convivência de criança ou adolescente com genitor, em ação autônoma ou incidental, o juiz poderá, cumulativamente ou não, sem prejuízo da decorrente responsabilidade civil ou criminal e da ampla utilização de instrumentos processuais aptos a inibir ou atenuar seus efeitos, segundo a gravidade do caso: 

I – declarar a ocorrência de alienação parental e advertir o alienador; 

II – ampliar o regime de convivência familiar em favor do genitor alienado; 

III – estipular multa ao alienador; 

IV – determinar acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial; 

V – determinar a alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão; 

VI – determinar a fixação cautelar do domicílio da criança ou adolescente; 

VII – declarar a suspensão da autoridade parental. 

Qual a sua pena?

Tendo em vista que a alienação parental não é um crime propriamente dito, mas se trata de violência psicológica contra a criança ou o adolescente, as punições cabíveis ao alienador são as previstas no art. 6º, da Lei nº 12.318/2010, citadas acima. 

Por sua vez, não raras vezes, o ato de alienação parental pode acompanhar outras condutas criminosas, como agressões físicas, ameaças e outras, devendo, sempre, ser preservada a integridade física da criança ou do adolescente, conforme prevê a Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente

Além disso, a alienação parental está muitas vezes conectada às falsas acusações de abuso sexual, feitas, nestes casos, pela mãe em face do pai. Estes são os processos mais difíceis e complicados, mas, sim, existem diversos casos em que foi constatada a alienação mediante falsa acusação de abuso sexual. 

E nesta situação, a penalidade ao genitor alienador é mais gravosa, pois trata-se de uma acusação de crime, no qual o genitor alienado responde, gerando uma série de consequências. 

Aproveita-se o momento para reforçar que é importante contar com um advogado especialista para orientar e representar a parte em Juízo.

Não menos importante, é de se ressaltar que as medidas cabíveis contra os atos de alienação parental devem ser imediatamente promovidas judicialmente e administrativamente, mediante denúncias em delegacias especializadas em crimes contra crianças e adolescentes.

Quais são os  tipos de alienação parental?

A alienação parental foi definida pelo psiquiatra e psicanalista Richard Gardner, há muitos anos, após análise profunda de casos de disputa de custódia dos filhos, nas quais pôde-se observar a presença de falsas acusações e memórias imputadas à criança ou adolescente. 

Assim, o psiquiatra apresentou a teoria da Síndrome da Alienação Parental, que é o estágio patológico instalado na criança ou adolescente após o agravamento da alienação parental propriamente dita. 

É por isso que existem estágios da alienação parental, o mais grave é aquele que se instala a Síndrome da AP, gerando sequelas irreversíveis à criança ou adolescente. 

Segundo o próprio Gardner, os estágios até a SAP são: leve, moderado e grave. 

Estágio leve

O estágio leve é, em que pese ser de menor gravidade, mais difícil de ser constatado, pois há indícios e suspeita dos atos que possam ser alienadores. É o caso quando há dificuldades na troca entre os genitores, ou seja, no ato de buscar e entregar o filho de acordo com o regime de convivência regulamentado. 

A criança começa a se sentir incomodada ao ir para a casa do genitor alienado, pode iniciar processos de choro antes de ir ou manifestar que não deseja ir, em alguns casos. 

Estágio moderado 

O estágio moderado é aquele no qual o genitor alienador pratica diversas atitudes a obstaculizar o acesso do genitor alienado à criança ou adolescente, de modo a afastar o maior tempo possível a convivência familiar, até extingui-la. 

Estágio grave

O estágio grave é aquele no qual a criança ou o adolescente temem conviver com o outro genitor, o alienado. O filho pode apresentar quadros de pânico e desespero para conviver com o genitor alienado. Neste nível a lealdade ao genitor alienador toma conta da criança ou adolescente, de modo que o próprio filho não deseja mais manter contato com o genitor alienado. 

É o pior estágio, no qual se instalam as consequências psicológicas e falsas memórias, gerando uma série de danos ao desenvolvimento desta criança ou adolescente. 

Como provar a alienação parental?

Como dissemos, a alienação parental não é simples e deve ser interpretada da forma mais ampla possível. Apesar das situações hipotéticas previstas na lei, quaisquer condutas que prejudiquem a integridade psicológica da criança ou adolescente podem ser atos alienadores. 

E como provar?

Primeiramente, é importante que você conte com um advogado especialista na área, pois o processo judicial é delicado. 

Existem inúmeras formas de provar a alienação, mas não são simples. Na maioria dos casos, é importante que vídeos sejam gravados para demonstrar a reação da criança ou adolescente, assim como mensagens de texto de aplicativos de celular, ligações não correspondidas, testemunhas de familiares e pessoas próximas à família, boletins de ocorrência por atitudes que possam ser criminosas contra a criança ou adolescente. 

Cada caso deve ser avaliado com cautela pelo profissional especialista, para que a criança não seja exposta. 

De qualquer forma, saiba que em qualquer processo que se discuta a alienação parental, é essencial que a criança ou adolescente seja ouvida, por meio de escuta especializada por profissional adequado, pois é a partir desta ótica que será possível avaliar o quadro. 

Quais as maiores consequências da alienação parental para os filhos?

Existem estudos da psicologia que demonstram as consequências da alienação parental aos filhos.

É certo que toda criança e adolescente tem direito de conviver com ambos os genitores, de forma equilibrada e saudável. A interferência nesta convivência traz uma série de danos psicológicos à criança ou adolescente, que levam e perduram até à vida adulta. 

As maiores consequências constatadas foram:

  • Baixo rendimento escolar;
  • Desenvolvimento de transtornos psicológicos e doenças, como depressão, ansiedade, síndrome do pânico, transtorno de hiperatividade (TDAH), agressividade, insegurança, timidez e diversos outros. 

A alienação parental é extremamente gravosa às crianças ou adolescentes, que têm seus direitos violados severamente. Por isso a importância de conhecer os atos alienadores, a fim de preservar a integridade física e psicológica dessas crianças.

Como lidar com alienação parental?

Existem maneiras para dificultar que a alienação parental se instale ou se agrave. 

O mais importante seria que os pais se conscientizassem das próprias atitudes. 

Como exposto no início deste artigo, após a separação muitas mágoas permanecem com os genitores, o que os afeta totalmente na relação com os filhos. Tais mágoas se transformam em um desejo de vingança tão forte, que a criança ou adolescente são utilizados como ferramenta para atingir o outro que causou tanta dor, de forma muitas vezes inconsciente. 

E para evitar ou amenizar tal situação, preservando o equilíbrio na convivência entre os genitores com o filho, pode ser estabelecida a guarda compartilhada.

Guarda compartilhada para prevenir alienação parental

A guarda compartilhada nada mais é do que a custódia compartilhada no filho, de modo que ambos os genitores têm autoridade parental em mesmo nível. Tal formato de guarda permite que ambos consigam exercer o poder familiar amplamente, independentemente do sentimento de vingança do outro. 

Com a Lei da Guarda Compartilhada nº 13.058, publicada no ano de 2014, se tornou a regra geral em casos de disputa de guarda dos filhos, sendo apenas afastada nos casos de violência comprovada contra a criança ou adolescente ou, ainda, quando um dos genitores expressamente manifestar não desejar a custódia compartilhada. 

A temática gera grandes debates, haja vista que na comprovação da alienação parental, a fixação de guarda unilateral pode ser a única forma para preservar a criança ou adolescente contra a violência psicológica. 

De todo modo, cada caso deve ser avaliado profundamente por profissionais especializados, a fim de melhor auxiliar a família e preservar a criança ou adolescente para o desenvolvimento saudável. 

Tem dúvidas sobre o assunto? Deixe seu comentário, será um prazer lhe orientar.

Sobre o Autor

Edlênio Xavier Barreto
Edlênio Xavier Barreto

Advogado especialista em causas criminais de alta complexidade.

Comentários

Outros Artigos

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
Open chat